- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

GDF intensifica ações contra invasão de áreas públicas

Esta semana houve medidas de combate à ocupação irregular do solo em Taguatinga e Santa Maria; no Brasil, último censo mostrou que o país tem um deficit habitacional de 6,3 milhões de moradias

Por Redação

O último resultado de déficit habitacional no Brasil que se tem como base foi feito realizado em 2010. Na época, o país precisava de 6.356.000 habitação para zerar essa demanda. Isso junto ao sonho da casa própria, de sair do aluguel, faz com que em diversas partes do país o poder público intervenha para conter o avanço irregular do solo. As chamadas remoções, como as que ocorreram esta semana no assentamento 26 de Setembro, em Taguatinga, têm sido cada vez mais comuns. Nesta quinta-feira (27), por exemplo, mas quatro pessoas foram presas em Santa Maria por suspeita de lotear áreas públicas.

Coincidência ou não, esta semana também o governo federal lançou um programa habitacional com o intuito de contribuir para a redução do déficit habitacional. O programa, o Casa Verde e Amarela, vai facilitar, com juros baixos, o acesso da população a imóveis novos e também permitir reformas.

Em junho, o governador Ibaneis participa da entrega de chaves de apartamentos em São Sebastião

No DF, em junho passado, o governador Ibaneis Rocha (MDB), foi pessoalmente até a região administrativa de São Sebastião para as chaves de 345 apartamentos aos contemplados no empreendimento Parque dos Ipês (Crixá I, II e III), em São Sebastião.

“Temos buscado soluções para atender as pessoas da camada mais carente. E estamos tendo essa oportunidade aqui. Fica o meu abraço a todas as famílias que estão recebendo as chaves hoje e todos aqueles que ainda aguardam por moradia tenham certeza que estamos olhando por vocês”, afirmou Ibaneis na ocasião.

O assunto do déficit habitacional quando mais força no momento porque estamos numa pandemia em que exige como medida de proteção ficar em casa. Daí, a necessidade do poder público de tratar sobre o tema.

O despejo de famílias, a remoção de residências neste momento de proliferação do novo coronavírus, está sendo motivo de debate na sociedade. De um lado, há os que acreditam que é preciso remover, independente do momento, famílias que ocupam de forma irregular áreas públicas. Do outro, estão as pessoas que acham que o poder público poderia esperar passar a pandemia para tomar suas decisões.

No DF, a Secretaria do DF Legal informou que as ações relacionadas à remoção de ocupações habitadas, não estão ocorrendo com famílias em razão da pandemia.

Apenas neste ano, o Governo do Distrito Federal diz liberou e recuperou 344,4 mil metros quadrados de área pública. A ação fez parte de mais uma etapa da operação Pronto Emprego no local, com o objetivo de impedir a ocupação de área ambiental por grileiros. Essa foi a décima operação no local.

Fonte News Black

Continue Lendo

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -
x