Os militares foram treinados para identificar e remover depósitos do mosquito e orientar a comunidade para evitar a doença

Os militares foram capacitados atuar no combate e prevenção contra o mosquito Aedes aegypti; eles também constatam se há casos de covid-19 entre as famílias

Por Redação

Uma ação conjunta entre militares do Exército e da Força Aérea Brasileira (FAB) vai atuar no combate a focos e ao mosquito da dengue no Distrito Federal. Ao todo, cerca de 157 militares foram capacitados pela Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde do DF sobre como identificar e remover depósitos do mosquito, como também orientar a comunidade nas visitas domiciliares previstas no programa Sanear Dengue para eliminar os focos do mosquito em residências.

“Apesar de estarmos comprometidos com a emergência do coronavírus, é bom lembrar que ainda estamos vivendo uma epidemia de dengue. Então, a ideia é unir forças intersetoriais com o máximo de órgãos possível”, explica a coordenadora de capacitação profissional da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival), Jahila Anselmo.

Para combater o mosquito-da-dengue, os militares receberam aulas teóricas e práticas sobre o assunto. Através de um curso simplificado, os militares puderam aprender sobre técnicas de visita, inspeção domiciliar e uso de larvicida.

A previsão é que os militares já participem das ações junto com os agentes de Vigilância Ambiental a partir da próxima segunda (22)

“Foi muito bom ter vindo fazer o curso. Temos o papel, como parte da sociedade, de ajudar a população. Para nós, é muito bom estarmos contribuindo com combate à dengue”, garante a coordenadora.

Agora os militares devem começar a participar de ações com os agentes de Vigilância Ambiental a partir da próxima segunda-feira (22). A primeira região administrativa a ser visitada pelos militares será a Fercal. Como estamos em período de outra epidemia, os militares usarão máscaras e farão as orientações sem precisar entrar nos domicílios.

As inspeções no interior das casas ficarão a cargo dos moradores, mas ao redor das residências serão feitas pelas agentes e os militares. Além disso, os militares e os agentes estão também perguntando aos moradores se eles já tiveram algum caso de covid-19 na família ou entre os moradores, e também se há idosos nas casas. “Tudo para auxiliar ao máximo na orientação da população e, ao mesmo tempo, mostrar a presença do estado no combate ao vetor”, explica Jahila Anselmo.

Fonte News Black

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here